Baixo rendimento revela precariedade de faculdades em Cuiabá

Publicado: 10 de maio de 2012 em DIVERSAS
Tags:, , ,

Baixo número de bacharéis em Direito aprovados no último exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) revela a má qualidade de ensino e a precariedade das instituições de ensino privadas de Mato Grosso, especialmente em Cuiabá.

Levantamento  revela que, das quatro instituições privadas que oferecem o curso na Capital, apenas a Universidade de Cuiabá (Unic) conseguiu aprovar mais de 20% dos candidatos oriundos da instituição. Os dados foram divulgados pelo Conselho Federal da OAB.

O pior desempenho foi da Faculdade Afirmativo, que só conseguiu aprovar 8,33% dos bacharéis. O índice do Icec foi de 10,98%, enquanto o da Unirondon de 13,08%.

Em Várzea Grande, o índice da Univag ficou em 13,08%, enquanto a da Amec, que pertence ao mesmo grupo educacional da Unic, só conseguiu ver aprovados 7,69% dos candidatos que se formaram na instituição.

Enquanto as instituições privadas se mostram verdadeiras “fábricas” de bacharéis em Direito sem qualificação para ingressar na carreira de advogado, as instituições públicas dão exemplo de que ainda representam a força intelectual na profissão.

A Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat) conseguiu aprovar 45% dos seus ex-alunos no Exame. Enquanto a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) continua como líder no ranking estadual de desempenho, com 64,91% de aprovados.

Entretanto, os números da UFMT ainda se mostram abaixo aos de outras universidades públicas do País, principalmente do Sudeste e Sul, que apresentam média de 70%.

Muitos cursos e má qualidade

Para o presidente da seccional de Mato Grosso da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT), Cláudio Stábile, os números confirmam que os cursos de Direito precisam ser mais fiscalizados e acompanhados pelo Ministério da Educação.

Segundo Stábile, a OAB já vem fazendo um trabalho preventivo junto às instituições, por meio da Comissão de Ensino Jurídico da entidade. O presidente da OAB garantiu que é feito um acompanhamento junto às faculdades. “Diversos relatórios são feitos e encaminhados ao Conselho Federal, que apresenta ao MEC”, disse Stábile.

Ele explicou que são analisados diversos aspectos, como a qualificação do quadro de professores, a estrutura das faculdades e o número de alunos por sala. Cláudio Stábile também pontuou que a média ideal de aprovação dos candidatos deveria, em tese, ser de, no mínimo, 50%.

No entanto, ele observou que o alto número de cursos de Direito espalhados pelos País resulta em um baixo rendimento dos bacharéis no exame da Ordem.

“Depois disso, a OAB cobra o MEC para que exija das faculdades as adequações que precisam ser feitas e que isso tenha um prazo”, completou Stábile.

fonte: cenárioMT

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s